Viver e trabalhar como uma Mulher “Mulher Amorosa” Teóloga Católica Romana

Uma carta aberta de Zurique, Suíça

English / Spanish / Portuguese / French

Sobre o autor: Susanne Andrea Birke é uma teóloga católica romana que vive em Zurique.

26 de abril é o Dia da Visibilidade Lésbica (DVL). As lésbicas ficaram cada vez mais visíveis durante os últimos anos. Quando cresci, só ouvia falar homens homossexuais. Um amigo dos meus pais, enquanto estudavam em Tübingen, era um homem gay francês e quando estava eu na escola primária, visitamo-la numa viagem a França. Mas não conheci nenhuma mulher lésbica ou “mulher amorosa”*, sobre elas nunca se falou, enquanto cresci em Ulm, Alemanha. Hoje, isto é completamente diferente. Ainda assim, em muitos lugares estar exposta – fora do armário – não é seguro, as discriminações específicas que sofrem as lésbicas raras vezes se reconhecem. Com frequência as nossas necessidades não são atendidas e consideradas quando se mudam as leis para incluir os homens homossexuais na sociedade e direitos civis. As organizações de lésbicas, também, não obtêm o mesmo financiamento. Quando se trata de “mulheres que amam mulheres” na Igreja Católica Romana, as coisas parecem ainda pior. Mas também posso ver nela os ventos da mudança.

Em 2013 expus-me publicamente como uma mulher “mulher amorosa” teóloga católica romana que trabalha para a minha igreja. Para muitos, isto parece ser impossível, louco ou simplesmente estúpido. Mas isso é o que eu sou. Isto é possível porque vivo e trabalho na Suíça numa diocese aberta. A Diocese de Basileia tem um grupo de trabalho Pastoral Arco-íris, que depende principalmente do trabalho voluntário, mas que não deixa de estar ativo. Também é possível, porque a organização para a qual trabalho me apoiou e se manteve ao meu. Fê-lo apesar de haver queixas sobre o meu trabalho para a teologia feminista e os direitos das mulheres na Igreja Católica Romana, trabalho Pastoral Arco-íris e sobre a própria contratação de uma teóloga lésbica. O que mais posso fazer é o que hoje faço, porque há muitas pessoas de base que querem que a sua Igreja seja inclusiva e algumas também estão dispostas a arriscar algo para que isto se torne realidade. Mas tudo isso não seria possível se não tivesse decidido ficar legalmente solteira depois da minha última rutura. Se vivesse numa relação formalizada civilmente, não seria possível realizar o meu trabalho. Muitas das minhas colegas vivem com medo, porque apesar de que trabalhamos para a inclusão a nível paroquial, estamos longe ainda de aceitar as pessoas LGBTIQ+ quando se trata de pessoal empregado na instituição.

Então, sim, de alguma maneira é uma loucura trabalhar para uma Igreja, que não só me discrimina pelos meus órgãos genitais, mas também por causa de quem amo. Mas também amo demasiado a minha igreja para a deixar nas mãos daqueles que preferem que as pessoas como eu a abandonem. Conheci muitos seres humanos maravilhosos em todo o mundo, a fazerem um grande trabalho de muitas maneiras. Isto é mais significativo para mim que a discriminação que experimento. Por último, mas não menos importante: aconteça o que acontecer, continuarei a fazer parte do «movimento de ressurreição» que começou há 2000 anos.

O que eu posso fazer do lugar onde vivo e trabalho, pode estar longe da experiência de muitas lésbicas na GNRC noutras partes do mundo. Ser aceite como mulher por um nível hierárquico superior dominado por homens não é fácil. Apesar de que há melhores condições, ainda fica muito trabalho por fazer. Quando comecei, alguns católicos romanos sentiam que tinham direito a dizer-me que fazer, porque eram homens e eu era só uma mulher jovem. Também tive de descobrir que os nossos salários não eram iguais. Continuamente fui alvo de alguns pelo meu trabalho como teóloga feminista, que trabalha pela igualdade na igreja, mas definitivamente, tudo piorou depois de que saí do armário e comecei o ministério Arco-íris. Estes são só alguns exemplos. Havia e há muito com que lidar. Felizmente, contamos com muitos colegas que lutam pela igualdade de direitos nesta nossa igreja, independentemente do seu próprio género.

O movimento reformista na Igreja Suíça é extraordinariamente forte e também há organizações e redes de mulheres fortes. A Liga de Mulheres Católicas da Suíça é aqui a maior organização católica romana e apoia a igualdade matrimonial. Mesmo assim, ainda sinto que temos um caminho a percorrer para reconhecer as necessidades específicas das lésbicas na Igreja Católica Romana. Mas as coisas continuam a mudar continuamente e as organizações juvenis estão a fazer um grande trabalho, quando se trata de ser inclusivas. Espero que as nossas vozes se fortaleçam e se escutem mais no futuro.

Para o DVL 2020 quero terminar com um forte apelo: Não permitas que ninguém te impeça de consolidar algo na essência do teu ser, só porque outros pensam que é impossível. Talvez estejas aqui para abrir novas portas!

Que a Santidade as abençoe, guie e proteja com o seu amor.

Susanne A. Birke

* “mulher-mulher amorosa” é uma expressão para se referir à orientação afetivo-sexual de uma mulher sobre a identidade cis/transgénero pela mulher por quem se sente atração. Usa-se em algumas zonas para ampliar a definição de Lésbica, que costuma considerar só mulheres que sentem atração afetivo-sexual por mulheres cis-género.

This entry was posted in Testimony and tagged , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *